ALBUM REVIEW: Utada Hikaru – Fantôme

Quando notícias de um possível retorno de Utada surgiram no fim de 2015, foram poucos os que as levaram a sério. Afinal, Utada estava em hiato havia tanto tempo que um possível retorno soava inalcançável. Ainda mais que ela havia acabado de se casar e se tornar mãe, havia acabado de lidar com o suicídio de sua própria mãe… a vida pessoal de Utada parecia atribulada demais para ela sequer se importar com sua carreira (todos sabemos que ela é bancada por royalties de EVA e Kingdom Hearts, e que dinheiro não é um problema). Mas todas essas mudanças em sua vida aparentemente resultaram num estopim criativo que Utada não havia tido até aqui, e as novas experiências e ideias resultaram numa vontade renovada de compor, que por sua vez resultou no álbum que agora temos entre nós, Fantôme.

Continuar lendo “ALBUM REVIEW: Utada Hikaru – Fantôme”

ALBUM REVIEW: BED.IN – RICH

Muitos álbuns grandes (e até mesmo mitológicos no caso de certos atos) haviam sido prometidos pra 2016 – álbum de debut do BLACKPINK, o lado velvet, álbum chinês de T-ARA (hahaha) – e enquanto o retorno de Utada continua sendo um assunto imbatível, havia um outro álbum que eu estava esperando quase tanto: o álbum de debut das rainhas trash do BED.IN. Se você não acompanha o ASIANMIXTAPE tem muito tempo, talvez não saiba quem elas são, mas saiba isso: VOCÊ ESTÁ VIVENDO SUA VIDA ERRADO SE NUNCA VIU UM CLIPE DESSAS DUAS, E AGORA QUE ELAS LANÇARAM UM FULL ALBUM, ACABOU PRAS OUTRAS!!

Continuar lendo “ALBUM REVIEW: BED.IN – RICH”

ALBUM REVIEW: Hamasaki Ayumi – M(A)DE IN JAPAN

Daí que Hamasaki Ayuoncé chocou a todos essa semana ao simplesmente largar no Tidal no serviço de streaming da AVEX seu novíssimo álbum de estúdio, MADE IN JAPAN. Ou melhor, MDE IN JAPAN, usando o símbolo tosco dela (não sei por que ela já não chamou o álbum de “MDE IN JPN” de uma vez). Notícias de um álbum novo de Ayu não deveriam chocar ninguém, visto que ela lança um a cada dez meses. Mas como ela é a primeira artista japonesa relevante a beyoncezar um álbum, um buzz inexplicável foi criado em cima de um lançamento de uma verdadeira hasbeen. Será que com MDE IN JAPAN Ayu conseguirá dar uma guinada na carreira? Ou de interessante no álbum é só a estratégia de divulgação mesmo? Veremos.

Continuar lendo “ALBUM REVIEW: Hamasaki Ayumi – M(A)DE IN JAPAN”

ALBUM REVIEW: Perfume – Cosmic Explorer

Demoraram quase três anos, sete singles e quatro tours, mas o quinto álbum de estúdio de Perfume finalmente está entre nós. Será que ele está tão bom quanto o LEVEL 3 foi? Será que ele corrigiu (os poucos) problemas que afligiam o álbum passado? Ou será que COSMIC EXPLORER será praticamente uma single collection feito JPN antes dele? Descubram as respostas para estas e outras questões da vida a partir de agora!!1

Continuar lendo “ALBUM REVIEW: Perfume – Cosmic Explorer”

MINI ALBUM REVIEW: Red Velvet – The Velvet

Eu honestamente pretendia deixar THE VELVET passar batido, mas como já comentei sobre todo o catálogo de RED VELVET até aqui, meu TOC meio que me obrigou a ouvir o EP novamente pra fazer um post esperto sobre tudo o que há de errado nesse lançamento e também especular sobre o futuro do grupo agora que One of These Nights cimentou a fraqueza comercial do lado velvet, mal entrando no top10 da GAON na semana de debut e já caindo pra 37° lugar na segunda semana.

Continuar lendo “MINI ALBUM REVIEW: Red Velvet – The Velvet”

ALBUM REVIEW: f(x) – 4 Walls

Como vocês bem sabem, f(x) voltou essa semana após mais de um ano de mistério sobre a permanência de Sulli no grupo. A adição de Yeri a Red Velvet no começo do ano foi um mau agouro pro fandom-sem-nome, porque se a SM tivesse dois girlgroups com a mesma quantidade de membros ao mesmo tempo, o mundo obviamente explodiria. Pra piorar a incerteza, f(x) lançou single no Japão e sequer fotografaram capa e gravaram MV para o mesmo, aumentando ainda mais as suspeitas. Mas depois de um ano de lenga-lenga, a SM finalmente arrancou o band-aid e revelou que agora elas são um quarteto, pouco depois já enterrando esse assunto ao revelar umas instalações de arte pedantes com o anúncio do retorno do grupo. A campanha de divulgação foi totalmente fora da caixa (como sempre), mas isso também se fez presente no álbum? A ausência de Sulli significa algo para o grupo musicalmente falando? Essas e mais questões vocês veem respondidas agora.

Continuar lendo “ALBUM REVIEW: f(x) – 4 Walls”