Paradise é boa, mas música é o aspecto menos relevante sobre o retorno de S.E.S.

Eu nunca fui grande apreciador de S.E.S. pelo pouco que eu ouvi delas. I’m Your Girl é bastante amadora, I Love You é inespecífica, Love parece filler de album… das que eu conheço, Just A Feeling e Dreams Come True são as únicas legais (a primeira por parecer um single das Spice Girls e a segunda por ter um instrumental único e instantaneamente reconhecível). Minha impressão do apreço de muitos pelo grupo sempre se resumiu mais à nostalgia pela infância/adolescência do ouvinte (tipo brasileiro com Rouge/Br’oz) do que pela qualidade dos lançamentos em si. E não tem nada de errado nisso. Mas como eu não ouvia k-pop quando elas estavam no auge, o catálogo de S.E.S. não faz nada por mim, logo, essa comemoração de 20 anos do grupo significava muito pouco pra mim musicalmente falando. Ela era importante mais por outros motivos, que eu comentarei melhor depois. Mas antes, o primeiro dos A-SIDEs, Paradise:

Continuar lendo “Paradise é boa, mas música é o aspecto menos relevante sobre o retorno de S.E.S.”